Pesquisar este blog

Carregando...

Tópicos da CCB - Conselhos da Reforma para o Brás - Política - Único Cálice - Sigilo dos Tópicos de Ensinamentos - Batismos

Outro dispositivo, que conquanto nada tenha a ver com ilegalidades, com toda certeza, desagrada o Espírito Santo de Deus e cria divisão no próprio ministério da igreja. É o que estabelece a formação do ministério espiritual, art. 23, quando inclui no ministério os ANCIÃES, os COOPERADORES DO OFÍCIO MINISTERIAL e os DIÁCONOS.

Os cooperadores de jovens, como os demais cooperadores também ministram a Palavra de Deus. Se um é ministério por que o outro não é?  - Ao rigor da letra, os diáconos não exercem ministério, pois não foram escolhidos para ministrar, mas para servir os pobres.

São também apresentados, tal como os cooperadores oficiais. Não estão os cooperadores de jovens sendo vítimas de discriminação? Não são guiados pelo Espírito Santo como os demais cooperadores e anciães? Não são as reuniões abertas também “Em Nome do Senhor Jesus?”.
“...onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles. (Mateus 18:20 ).

Jesus, porém, disse: Deixai os pequeninos e não os estorveis de vir a mim, porque dos tais é o Reino dos céus. (Mateus 19:14 ).
 
Jesus, porém, vendo isso, indignou-se e disse-lhes: Deixai vir os pequeninos a mim e não os impeçais, porque dos tais é o Reino de Deus. Marcos 10:14 

Os cooperadores de jovens (assim como os demais do ministério), pregam omesmo evangelho, o mesmo amor, são participantes da mesma vocação divina, sujeitos ao mesmo Cristo, que é a cabeça da igreja.  Trabalham junto às crianças e os jovens, que diga-se de passagem, são as ovelhinhas que requerem cuidados especiais. Estão semanalmente congregados, buscando a guia de Deus e passando os santos ensinamentos para a boa formação espiritual dos pequeninos,  que no amanhã serão os líderes na Obra de Deus, que certamente irão desempenhar as atividades espirituais sob a guia e o amor de Deus.

Não é razoável que os cooperadores de jovens fiquem excluídos do estatuto. Propomos que os mesmos sejam incluídos;  devendo constar seus nomes também nos relatórios, já que em todas as congregações são realizados os cultos de jovens e menores. Consideramos sim, cultos, conquanto são abertos e presididos em nome do Senhor Jesus.  Não concordamos com alguns anciães pretensiosos, que entendem que as reuniões de jovens não são cultos.  São abertas no mesmo nome, seguem o mesmo ritual, apenas acrescentando os recitativos. 


= PONTOS DE FÉ E DOUTRINA – LEITURA EM BATISMOS

Temos observado que se faz necessário fazer a leitura dos pontos de fé e doutrina, antes de ser realizado o serviço das águas nos batismos. Muitas pessoas vão ao batismo pela primeira vez, sentem-se emocionadas ao ver o movimento e acaba batizando.  Não ficam sabendo sobre o pecado do adultério, do sacrifício aos ídolos e os demais.  Ao ouvir a leitura no final do batismo, ficam apavoradas; principalmente aqueles que mesmo sendo casados tem mais de uma mulher ou companheiro; outros participam de algumas cerimônias ligadas à idolatria.

Almas assim, nascem sem nenhuma estrutura e dificilmente permanecem na graça. Daí resulta, que só tomaram a decisão do batismo por desconhecerem as conseqüências impostas pelos pontos de doutrina. Acreditamos não ser tão importante o número de almas batizadas, mas sim, que haja conversão e compreensão para quem vai assumir o compromisso diante de Deus e dos homens; afinal, o batismo é um pacto, para vida ou para a morte.


= ARRECADAÇÃO DE OFERTAS – USO DOS ENVELOPES LACRADOS

Acreditamos que o uso dos envelopes lacrados foi um avanço; porém precisa ainda melhorar mais. Com o crescimento do número dos coletores desonestos, é necessário dificultar ao máximo, a possibilidade de desvio de dinheiro.

Propomos que enquanto não for implantado o sistema de depósito bancário, os envelopes sejam colocados em urnas lacradas junto às portas de saída das congregações; as quais só deverão ser abertas na presença de três irmãos.

E, olhando ele, viu os ricos lançarem as suas ofertas na arca do tesouro; (Lucas 21:1). 
 

= SANTA CEIA – USO DE UM SÓ CÁLICE

A insistência de usar um só cálice para todos os irmãos tomarem o vinho da Santa Ceia, vem causando muita polêmica no meio da irmandade e isso com razão. Pelas leis de vigilância sanitária, há proibição de uso de um mesmo utensílio, como copos, talheres e outros, por mais de uma pessoa sem que sejam esterilizados; principalmente para ingestão de líquidos.  Sabemos que a saliva é um meio de transmissão de várias doenças contagiosas. A exposição da irmandade ao risco de contrair doenças, até incuráveis pela saliva, cria sérias conseqüências para a Congregação e os irmãos que a dirigem. Pode causar até a morte de alguém, o que gerará responsabilidades de todo o tipo. Temos conhecimento de irmãos portadores de doenças infecciosas, como hepatite, tuberculose, câncer na boca, salivação, aids; outros tem infecções nas gengivas. Alguns estão com as doenças e nem tem conhecimento, só vindo a saber depois que a mesma se agrava  

Nossos irmãos profissionais da área da saúde, como médicos, enfermeiros, estão inconformados com a insistência em usar um só cálice para toda a irmandade; isso vem sendo causa de proliferação de muitas doenças no meio da igreja.

Se fiscais da Vigilância Sanitária forem chamados e flagrarem durante uma Santa Ceia, toda a irmandade usando um mesmo cálice, o serviço será interrompido imediatamente e haverá imposição de sanções administrativas.

Ao povo de Deus, como somos ensinados, não convém resistir às leis dos homens, as quais são permitidas por Deus, de acordo com a Palavra. Entendemos neste caso, que poderia ser adotado o uso de mini-xícaras descartáveis.

Cumpre-nos salientar que a recomendação constante da Convenção de 1936, para os irmãos enfermos não participarem dos cultos, não mais se aplica. Isso hoje é discriminação. Acarreta responsabilidades. Além do mais, impossível de se ter controle nas entradas das congregações para barrar os irmãos que tem doenças contagiosas. Mesmo os irmãos, muitos demoram para serem diagnosticados e outros morrem e nem ficam sabendo que morreram por doenças contagiosas.

“a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais; (Constituição Federal, art. 5º, XLI)

Discriminação havia no tempo da lei de Moisés, quando os leprosos eram considerado imundos e teriam que habitar sozinhos, fora do arraial.  O Senhor Jesus aboliu tal discriminação; nunca rejeitou a presença de ninguém nos ajuntamentos.

“E eis que veio um leproso e o adorou, dizendo: Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo. (Mateus 8:2).

“E Jesus, estendendo a mão, tocou-o, dizendo: Quero; sê limpo. E logo ficou purificado da lepra. (Mateus 8:3).

Concluímos que é possível que todos os membros participem do mesmo cálice, porém usando utensílio individual, descartável.   Não havendo mudanças, entraremos em contatos com as autoridades sanitárias, para encaminhar o assunto.


= TÓPICOS DE ENSINAMENTOS

Mais um ítem  que causa estranheza é o fato de o povo da Congregação, não ter acesso às listas com tópicos de ensinamentos. O povo arca com as despesas das reuniões anuais e não tem direito a receber pelo menos uma lista.

Por que parte da lista não é nem lida perante a irmandade? -  Dizem que são ensinamentos para os irmãos do ministério. São elaborados pela guia do Espírito Santo? - Então por que a irmandade não pode ter conhecimento? - O Espírito Santo de Deus trabalha publicamente. Todo operar de Deus, toda obra que o Senhor Jesus fez, todo ensinamento aos apóstolos e discípulos, foram apresentados publicamente

Não se entende a parede divisória colocada arbitrariamente entre a irmandade e os anciães. Entre os apóstolos e os discípulos tudo era em comum.  Há tópico proibindo os integrantes do ministério de fazer comentários com a irmandade. Quem passa uma lista para algum irmão então, é punido. Pelo tópico 24 de 2003, os irmãos do ministério são proibidos de comentar tais assuntos até com as esposas. Quem não guardar sigilo, não é digno de participar das reuniões, é advertido, ficando sujeito à conseqüências que o ministério determinar. Isso é o PIOR DOS ABSURDOS, não acontece nem no “talibã”. É um indicativo de lavagem cerebral e causa até contendas entre os casais;  incompatível com atitudes de homens guiados pelo Espírito Santo, onde a comunidade é guiada por ele, organizada pela Caridade, tendo Cristo como cabeça.  Os irmãos devem ter maturidade suficiente para saber com quem conversa e o que pode ser conversado.

Não é isso que prevê o estatuto no art. 42: - A FIM DE CONSERVAR A UNIDADE DE ESPÍRITO ENTRE O POVO DE DEUS SERÃO REALIZADAS, ANUALMENTE, REUNIÕES GERAIS DE ENSINAMENTOS, NA CIDADE DE SÃO PAULO...” - Se a irmandade é proibida de conhecer os tópicos para o ministério e os irmãos são proibidos de revelar assuntos das reuniões ao povo, logo, não se está conservando a unidade de espírito, ao contrário, está se estabelecendo a DIVISÃO.

 De acordo com nossas leis e também na lei de Deus, não há previsão de sigilo entre os membros.

“E, finalmente, sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, amando os irmãos, entranhavelmente misericordiosos e afáveis, (I Pedro, 3, 8).
 
“Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito. (I Coríntios 6:17). 

“procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz: (Efésios 4:3). 

“De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus(Filipenses 2:5). 

As convenções de 1936 e 1948, são publicadas. O estatuto também o é. Existem razões bíblicas ou legais para ocultar da irmandade os referidos tópicos?

 Pelo art. 1º do atual estatuto:  a Congregação é “...UMA COMUNIDADE RELIGIOSA FUNDAMENTADA NA DOUTRINA APOSTÓLICA (ATOS 2:42 E 4:33), APOLÍTICA, SEM FINS LUCRATIVOS, CONSTITUÍDA DE NÚMERO ILIMITADO DE MEMBROS, SEM DISTINÇÃO DE SEXO, NACIONALIDADE, RAÇA, OU COR, ..”

                             “Todos os que criam estavam juntos e tinham tudo em comum.”. (Atos 2: 44).
                             
                              “...e ninguém dizia que coisa alguma do que possuia era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns (Atos 4: 32).   

“E dizia abertamente estas palavras. E Pedro o tomou à parte e começou a repreendê-lo. (Marcos 8:32).

“Porque tu o fizeste em oculto, mas eu farei este negócio perante todo o Israel e perante o sol. (II Samuel 12:12). 

“Certamente, vos repreenderá, se em oculto fizerdes distinção de pessoas. (Jó 13:10) 

“...mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho feito conhecer.  “São João, 15, 15 

“Portanto, não os temais, porque nada há encoberto que não haja de revelar-se, nem oculto que não haja de saber-se. (Mateus 10:26). 

“Jesus lhe respondeu: Eu falei abertamente ao mundo; ... e nada disse em oculto. (João 18:20). 

 “Porque o que eles fazem em oculto, até dizê-lo é torpe. (Efésios 5:12) 

Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus,... (João 20:19). 

Então, Samuel lhe contou todas aquelas palavras e nada lhe encobriu. (I Samuel 3:18) 

“ E chamou o SENHOR Deus a Adão e disse-lhe: Onde estás? (Gênesis, 3, 9).

“ E ele disse: Ouvi a tua voz soar no jardim, e temi, porque estava nu, e escondi-me. (Gênesis, 3, 9).

A não ser que o povo da Congregação Cristã no Brasil seja guiado por uma Bíblica e os anciães, sejam por outra.

A prática do ocultismo entre os anciães, quer nas reuniões anuais, mensais, leituras de tópicos, vem criando mal estar entre a irmandade e testemunhados. Quem faz algo em oculto, salvo em casos excepcionais (pois há leis que determinam atos sigilosos), o faz com medo de alguma coisa e quem faz pelo Espírito Santo, nada tem a temer. No tempo do Senhor não era assim.
 
De outro lado, os ensinamentos anuais, representam modificação no estatuto e assim sendo, deveriam ser incorporados ou pelo menos, editados e distribuídos, como eram as normas resultantes das convenções.

Por falar nisso, por que não mais se reúnem em convenções?

Pelo art. 43, § 2º do atual estatuto:  “...AS MODIFICAÇÕES NO ESTATUTO DEVERÃO SER IMEDIATAMENTE RATIFICADAS EM ASSEMBLÉIA GERAL POR TODAS AS ADMINISTRAÇÕES CONSTITUÍAS NO PAIS.”

Torna-se evidente o desespero e o anseio de irmãos anciães antigos em impor ensinamentos anualmente. Sabe-se que até há disputa neste sentido. Conduta não tão recomendada, já que se deve acatar a doutrina apostólica, adotada no art. 1º.  - O apóstolo Pedro afirmava:

“...por que tentais a Deus pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós podemos suportar? (Atos, 15, 10)

“...cremos que seremos salvos pela graça do Senhor Jesus Cristo... (Atos, 15, 11)

Pelo que julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a Deus, (Atos, 15, 19);
 
 “Na verdade, pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor mais encargo algum, senão estas coisas necessárias:... (Atos 15:28). 

“Mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue.  (Atos, 15, 20).

E ainda, se há recomendação dispensando a leitura de livros bíblicos, considerando que na Bíblia Sagrada temos tudo o que precisamos, conforme consta numa das convenções, por que impor tantos ensinamentos? – Por que mudam de posição, alterando ensinamentos de um ano para outro? – Isso é vontade de Deus?

 - Por que tais ensinamentos não passam por discussão anterior com os membros da administração pelo menos, conforme já é exigido para modificar o estatuto? - Por que não se passa nenhum ano sem impor novos ensinamentos; será que nos anos anteriores, faltou a guia de Deus ou será que o nosso Deus está mudando tão rapidamente, necessitando de revelar novos ensinamentos a cada ano? - Não basta então a leitura da Bíblia, já que nela tem tudo e não se deve ler mais nada? – Onde vamos parar com tantas mudanças e emendas?

Por que não continuaram as convenções? - por que parte dos ensinamentos estão nas convenções, parte no estatuto e parte em listas isoladas de tópicos? – Por que não se elabora um documento único, que seja realmente guiado por Deus? – Discutindo os assuntos com comissões que representem a irmandade?

Sobre tudo, indaga-se:  se no preâmbulo do estatuto está expresso:  “...NA PARTE ESPIRITUAL NÃO EXISTE NENHUM GOVERNO HUMANO, POIS SÓ O DIVINO PREVALECE...”, indaga-se:

Será que o nosso Deus, ainda não se definiu?


= HOSTILIDADE COM OS EVANGÉLICOS E POLÍTICOS

Muitos irmãos de ministério, anciães e cooperadores, vem baixando o nível no tratamento com os demais evangélicos. Denigrem a imagem dos que estão servindo a Deus em outras igrejas. Isso é ilegal, imoral, antibíblico e antiético.  Aqueles influenciam a irmandade a fazer o mesmo; a desprezar os integrantes das outras igrejas, chamando-os de ladrões, pecadores e de seitários.

Primeiro devem procurar saber o que é seitário. SEITA consiste em um grupo religioso que se separa de uma comunidade religiosa.

Quem participa de uma igreja desde sua fundação, nem sempre é seitário. Já no tempo dos apóstolos existia este sentimento de achar que os outros estão errados; mas o Senhor Jesus nunca se agradou disso; é um sentimento de fariseu.

“E, respondendo João, disse: Mestre, vimos um que em teu nome expulsava os demônios, e lho proibimos, porque não te segue conosco. (Lucas, 9, 49); 

“E Jesus lhes disse: Não o proibais, porque quem não é contra nós é por nós. (Lucas, 9, 50). 

Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha. (Lucas, 11, 23) 

Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco; também me convém agregar estas, e elas ouvirão a minha voz, e haverá um rebanho e um Pastor. (S. João, 10, 16). 

O fariseu, estando em pé, orava consigo desta maneira: Ó Deus, graças te dou, porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. (Lucas 18:11).”

“...porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado(Lucas 18:14).”
   
Sabemos de alguns lugares que pessoas de outras igrejas, trabalham nas construções das congregações e doam materiais de construção.  Eles não fazem acepção de pessoas; não agem como os fariseus. Tem irmãos, inclusive anciães,  que estão discriminando nossos irmãos de outras denominações; fazendo críticas levianas e ofensivas. Isso é inconstitucional e imoral. O Senhor Jesus ensinou o contrário. O irmão Louis Francescon também.

“E, abrindo Pedro a boca, disse: Reconheço, por verdade, que Deus não faz acepção de pessoas; (Atos 10:34).

“Mas quem fizer agravo receberá o agravo que fizer; pois não há acepção de pessoas. (Colossenses 3:25). 
 
- HISTÓRICO DA OBRA DE DEUS NARRADO POR LOUIS FRANCESCON:

“No ano de 1898, o Senhor salvou o irmão Giuseppe Beretta por meio dos Metodistas Livres, Americanos, o qual após algum tempo uniu-se conosco, Presbiterianos italianos. (pág. 8).

“Como o Pastor se encontrava na Itália, competia a mim como ancião presidir o serviço que se realizava no domingo, dia 6. (pág. 9)

“Naqueles dias o Senhor havia operado nos irmãos Giacomo fLombardi e Gioavnni Rossi e em outras famílias, membros da Igreja Presbiteriana Italiana, como também nos católicos, dentre os quais o irmão Luigi Terragnoli. (Pág. 16).

Quanto aos ocupantes de CARGOS POLÍTICOS, estranhamente os integrantes da Congregação Cristã no Brasil, principalmente os menos esclarecidos, fazem comentários indevidos. Como está na Palavra, toda autoridade vem de Deus.  É ilegal e insensato, que alguns irmãos censurem os servos de Deus que pretendem se candidatar a cargos políticos. As autoridades, que pela Palavra são constituídas por Deus, têm suas funções mediante eleição do povo. Não é pecado ocupar cargo político. Se há desonestidades em campanhas e no desenvolver de algumas atividades, deve se aplicar os sermões contra os infratores. Também na Obra de Deus, infelizmente, vem ocorrendo muita desonestidade.

Existem políticos sérios e honestos; parte deles serve a Deus em outras igrejas. Não devemos esquecer que a liberdade que hoje temos para servir a Deus, é devida a Deus primeiramente e depois aos nossos políticos evangélicos. Temos deputados e senadores de outras igrejas, que muito tem feito em defesa da Obra de  Deus na terra, tanto da Congregação como das outras. 

Recentemente “nossos irmãos” parlamentares lograram êxito em suspender por ora,  a aplicação de alguns artigos do novo Código Civil, que iriam trazer dificuldades para as atividades das igrejas evangélicas. Graças a eles, que visitaram o presidente da República e o convenceram a sancionar uma nova lei (art. 2031, parágrafo único).  Isso aconteceu também com relação a Lei de Proteção Ambiental, que proibia certos tipos de sons nas igrejas.

Logo, não devemos em nenhuma hipótese embaraçar os sentimentos legítimos de quem deseja exercer cargos políticos; seja ou não integrante de algum cargo ou ministério na igreja.
 
E eis que um homem por nome José, senador, homem de bem e justo (que não tinha consentido no conselho e nos atos dos outros), natural de Arimatéia, cidade dos judeus, e que também esperava o Reino de Deus, (Lucas, 23, 50). 

Outras versões:

“chegou José de Arimatéia, senador honrado, que também esperava o Reino de Deus,... (Marcos 15:43).

“E eis que um homem por nome José, senador, homem de bem e justo (Lucas 23:50).

“e Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes, e Suzana, e muitas outras que o serviam com suas fazendas. (Lucas 8:3). 

“Saúda-vos Gaio, meu hospedeiro e de toda a igreja. Saúda-vos Erasto, procurador da cidade, e também o irmão Quarto. (Romanos 16:23). 

 o qual estava com o procônsul Sérgio Paulo, varão prudente. Este, chamando a si Barnabé e Saulo, procurava muito ouvir a palavra de Deus. (Atos 13:7) 

“Então, o procônsul, vendo o que havia acontecido, creu, maravilhado da doutrina do Senhor.    (Atos 13:12). 

“Saúda-vos Gaio, meu hospedeiro e de toda a igreja. Saúda-vos Erasto, procurador da cidade, e também o irmão Quarto. (Romanos 16:23).


CONCLUINDO:

Solicitamos gentileza por parte de nossos irmãos anciães, presidente e demais integrantes do conselho maior de anciães, no sentido de designar uma comissão especial para estudo das matérias expostas, pois assim será facilitado o diálogo com nosso grupo; o que deverá ser feito  na medida do possível, no prazo de 30 dias.

Pedimos outrossim, sejam cientificados todos os anciães do Brasil, para conhecimento dos assuntos questionados, pois assim poderão também se manifestar democraticamente, emitindo seus pareceres, já que independente da idade e tempo de ministério, há muitos sábios no meio dos anciães.

Não esqueçamos de que a Igreja precisa de AVIVAMENTO.

 “...OUVI, SENHOR, A TUA PALAVRA E TEMI; AVIVA, Ó SENHOR, A TUA OBRA NO MEIO DOS ANOS, NO MEIO DOS ANOS A NOTIFICA; NA IRA LEMBRA-TE DA MISERICÓRDIA..  (Habacuque 3:2).


Ministério da Reforma CCB

Artigos Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...